ATAMI - Solo Sagrado

By Marcio Saiki - setembro 11, 2010



Nossa saída fotográfica de uma das turmas de fotografia básica de verão foi para a linda cidade de ATAMI, mais especificamente para o Solo Sagrado da Igreja Messianica. Apesar de estarmos indo para um templo sagrado religioso, nosso intuito era de apenas fotografar o local, de quebra iríamos visitar o museu MOA, fundado pelo fundador da Igreja.
Primeiramente então gostaria de agradecer ao Marcelo Fukace que fez a aproximação com um dos nossos guias na viagem, o sr. Renato Takamasu que junto com o sr. Renato Kikuta, serviram de guia e ficaram o dia todo a nossa disposição. A estes nosso sincero muito obrigado.
Nossa viagem foi planejada com o intuito de fotografar esse local belíssimo que é o Solo Sagrado em ATAMI, mas por conveniência do horário pude ir antes a Hakone e fazer algumas fotos do lago, mesmo que sem a aparição do monte Fuji pois o tempo estava um tanto nublado. O ar da manhã das montanhas é diferente e foi muito bom termos adiantado um pouco a saída. Pena os alunos terem ido de ônibus fretado que saiu somente as 5 da manhã de Nagoya.

    Amanhecer em Ashiko ou Lago Ashi









     A viagem foi tranquila, como podem perceber. Mas logo já estaríamos todos bem acordados para um dia intenso de aprendizado e boas fotografias, ou pelo menos a maioria estava! rs.
     O museu MOA tem um acervo muito grande de obras de arte, dentre elas um Rembrandt e dois Monet lindíssimos e também valiosíssimos. A entrada do museu é algo fascinante. Toda a estrutura arquitetônica do Solo Sagrado é de dar inveja as melhores construções mundo afora. Tudo leva a contemplar a linda paisagem que se encaixa harmonicamente. Concreto, vegetação, paisagens e obras de arte parecem temas de um tema só. 

Renato Takamasu levando os alunos aos diversos pontos do Solo Sagrado





     Takamasu além de nos apresentar a todo o complexo do Solo Sagrado ainda nos presenteou com entradas gratuitas para o museu. O cuidado e zelo que ambos os Renatos tiveram conosco é difícil de descrever, assim como também é difícil descrever a beleza de tudo a nossa volta. A entrada do museu nos conduz a uma série de escadarias que parecem nos levar a um outro patamar de consciência e de difícil compreensão; esta parte não é vista a olhos nus pois fica inserida entre a vegetação e o monte onde foi construída, mesmo assim nela temos em muitos pontos uma enorme vista da cidade e do mar.












Escultura de Henry Moore




     A todos da Igreja Messianica meu muito obrigado pela incrível hospitalidade. Esta saída deu gosto de quero mais! Quem sabe no outono ou inverno?

Endereço: Shizuoka-ken Atami-shi Momoyama-cho 26-2
Link Izunome
Link  MOA

ps. Não tenho vínculos com esta Igreja portanto para maiores informações, entrem em contato através do site com os devidos responsáveis. 

  • Share:

You Might Also Like

2 comentários